Clássico renovado

 

TWEED

O tecido criado ao longo das margens do rio Tweed, que separa Inglaterra da Escócia, por isso seu nome, se mantém presente desde nossas vovós e agora com ares mais descontraídos.

É verdade que é um tecido grosso. A tecelagem muitas vezes ainda feita manualmente. Há um grande número de tweeds (ou Tweel).  Alguns com fios macios e suaves e outros com fios mais duros e resistentes.

Nada melhor do que um Tweed pra dar uma carinha de inverno no nosso tímido frio !

Armário Básico

 

Desejo da estação !

Ref.: Saia Tweed Armário Básico  bainha desfiada.

          blusa Orquídea Armário Básico

Bookmark and Share
Posted in Coleções | Tagged , , , | Leave a comment

Seleção

Páginas e fotografias são dedicadas aos modelos das camisas da Seleção Brasileira de Futebol, descrevendo e analisando a evolução da peça que leva o emblema do País do Futebol.  Tudo bem que a camisa amarela e chamativa, está sendo mostrada a cada gol, quando o jogador a beija e a estica mostrando ao mundo .

E os calções? Não dá pra deixar de lado.

Está é uma linha no tempo, mostrando as evoluções feitas em termos de tecido, estilo e modelagem.

 

Amistoso Brasil x Exeter City (Inglaterra) 1914

1914 – Os primeiros uniforme da seleção brasileira era feito de algodão, o que hoje seria inaceitável, uma vez que essa fibra absorve água e umidade com muita facilidade. Ou seja, os calções ficavam molhados muito facilmente, causando desconforto e muito peso. Eram ligeiramente folgados. O cós era relativamente alto e preso por um cordão e as pernas do “shorts” batiam na altura dos joelhos.

1930 – O Brasil estreou na primeira Copa do Mundo com uma camisa branca que tinha amarração por cordões. O distintivo ainda era da CBD (Confederação Brasileira de Desportos)

1930

 

1936 –  a moda entre os jogadores era usar o calção com a cintura bem alta, de modo a repuxar o tecido e deixar boa parte das coxas à mostra.

1936

1938 – A nova camisa também era branca, mas apresentou novidades no design – o escudo da CBD ficou maior, e o uniforme abandonou os cordões e adotou gola “V”. Na imagem à direita, o jogador Domingos da Guia (1912-2000)

1939 -  Ainda se usava o cós preso por cordão. O time de 1939 entrou em campo vestindo calções bem mais curtos que de costume. A cintura continuava alta, mas o comprimento das pernas diminuiu consideravelmente. O modelo de 1939 se destaca pelo corte evasê das pernas, que prendia menos os movimentos dos jogadores.

1939

1945 -  os calções ficaram ainda mais curtos e justos, a cintura já não era tão alta. Em 1949 a peça ganhou uma charmosa listra lateral.

Jogador Ademir fotografado após partida em 1945.
Foto de Mundo dos Esportes

1950 – O destaque vai para camisa, A seleção vestia uma camisa com gola polo azul.

1950

1954 - Finalmente a camisa ganhou a cor amarela e detalhes em verde. O modelo foi usado nos mundiais de 1958, 1962 e 1966.  Mas esses shorts … ou pijamas??

 

1954

 

1970

 

1974 – pouca mudança no calção, mas a camisa ganhou as 3 estrelas
1978

 

1982
1986
1990

 

Os calções da década de 90 são mais largos e consideravelmente mais compridos que os usados nos anos 70. As pernas são mais compridas, com uma pequena abertura lateral, a fim de que os jogadores pudessem correr mais livremente.

 

Bebeto na Copa de 1994 – Foto de Tisserand

 

1998

 

Depois de 98 parece que mudaram de esporte. Agora o calção parece mais de time de basquete …

 

2002
2006
2010

 

2014
Bookmark and Share
Posted in Inspiração | Tagged | Leave a comment